Tempo

O Senhor do tempo

TempoAbro a agenda para ver os compromissos do dia e tomo um susto. Meu Deus, já é dezembro! E ainda há tanto trabalho pela frente, tanto projeto para terminar, tantos relatórios a serem preparados… e tantas reuniões! É impressão minha ou os dias estão passando cada vez mais rapidamente? Sei não, a sensação que tenho é de que o tempo está me ultrapassando e a vida escorre entre os dedos como areia fina, como folhas amareladas de um velho livro.
Vou até o quarto, pego minha Bíblia e folheio suas páginas finas e doces, páginas que não precisam ser arrancadas. Sinto assim um cheiro bom de eternidade. Ao mesmo tempo, passo a refletir sobre a vida como se ela fosse um livro cujos capítulos estão sendo escritos assim, misturando planos e frustrações, projetos e acidentes. Também vejo passar diante de meus olhos a história do mundo, o movimento das cidades e a correria dos povos.
O que é o tempo? O que é vida? Mistério silencioso que as páginas amareladas de um calendário não explicam, mas que as linhas e entrelinhas das Escrituras revelam com tanto cuidado. O tempo é um mestre rigoroso e por vezes cruel. Tudo o que o calendário parece ensinar é que, como numa canção na voz de Mercedes Sosa, “o tempo passa e vamos ficando velhos”.

Mais poderoso que o tempo é o Senhor do tempo. O salmista vê, nas ruínas do corpo e na velhice, a sombra de uma pena, uma condenação, uma ira que consome. Mas não se desespera, não se entrega aos pensamentos sombrios da culpa e do medo. Ele clama ao Senhor do tempo para que ensine a habilidade rara de contar os próprios dias, de saber de cor sua própria finitude e, assim, encontrar sabedoria. Ele também clama por compaixão, misericórdia, benignidade e alegria. O salmista sabe que o Senhor do tempo é também Senhor da alegria, que é fruto da sua graça e bondade.
As Escrituras nos falam de um Deus que não se deixa afetar pelo tempo, um Deus que jamais fica velho ou ultrapassado. Ele mesmo habita a eternidade e é Senhor do infinito, mas vem visitar e redimir as criaturas que vivem na dimensão do tempo.
Em Cristo Jesus, o Deus Eterno vem habitar conosco, seres que precisam contar as horas, os dias, os meses e as estações.

 

“Habitantes do tempo, permanecemos às vezes com um pé na
eternidade. Deus, como diz Isaias (57.15) ‘habita a eternidade”,
mas permanece com um pé no tempo” (Frederick Buechner).

 

Extraído do Livro “O menino e o Reino” de Gladir Cabral e
João Leonel.