o-verdadeiro-louvor-fe-em-jesus

Adoração em espírito e em verdade

“E sucedeu que, entrando a arca do Senhor na cidade de Davi, Mical, a filha de Saul, estava olhando pela janela; e, vendo ao rei Davi, que ia bailando e saltando diante do Senhor, o desprezou no seu coração.” 2 Samuel 6:16o-verdadeiro-louvor-fe-em-jesus

Existem padrões que definem a verdadeira adoração a Deus ? para Mical e para muita gente, sim, existem. Mical julgou totalmente inapropriada a maneira como Davi expressou a sua adoração. Para Mical Davi não era um homem qualquer, era o rei de Israel e um rei não pode cometer certos “excessos”. Um rei não devia estar no meio do povo sem suas vestes reais e muito menos dançando e saltando diante de todo mundo. Não sei se a Mical estava preocupada com uma adoração a Deus que fosse “digna” ou simplesmente estava pensando em sua própria imagem como membro da família real. De qualquer forma, uma questão é levantada a partir desta narrativa: será que a minha visão do que é adoração deve formatar a adoração dos outros ? a adoração deve seguir as convenções sociais e padrões definidos humanamente ? Davi dançou diante do Senhor como expressão de louvor e de adoração a Deus, pois a Arca da Aliança estava de volta a Jerusalém, ele estava vestido com um éfode de linho, uma vestimenta sacerdotal, ou seja, ele estava vestido para adorar e não despido como alguns pensam sobre este texto. Nossa expressão de louvor e adoração deve ser livre dos “padrões” estabelecidos. Acho que aqueles que ministram diante da congregação não devem tentar impor formatos de como as pessoas devem adorar. Adoração livre requer diversidade: no mesmo instante, haverá o que está louvando a Deus em silêncio, outro que dará brados de alegria ao Senhor, outro que levantará suas mãos, outro aplaudirá ao Senhor e outro dançará diante dele. Há pessoas que se preocupam tanto com a formatação que se esquecem de adorar verdadeiramente. Há uma preocupação excessiva em levar a Igreja a adorar da forma que eu julgo ideal, em “movimentar” a congregação, “fazer o louvor fluir” ou “pegar fogo”. Isso acontece também como quem ministra a palavra.

A grande questão é que a verdadeira adoração se revela no interior, nas intenções do coração, na disposição mental de cada um. No Evangelho de  João 4:24, Jesus revelou que: “Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” Adoração verdadeira é aquela que expressa a pureza de um coração que deseja adorar em simplicidade, sem barganhas, sem exibicionismos, sem medos. Adorar pelo simples e maravilhoso fato de que ELE É DEUS. Não se pode julgar a adoração de ninguém pela forma de expressão usada, mas cada um de nós precisa ter certeza de quais são as nossas motivações para adorar. Somente você pode julgar a sua adoração. Existe verdade na minha adoração ? esta é a pergunta que preciso fazer a mim mesmo.

Se por um lado a adoração precisa ser livre, por outro existem pessoas que a confundem com entretenimento. A alegria do louvor não pode ser resumida à diversão humana. Louvor e adoração não é passatempo, Davi sabia muito bem diante de Quem ele estava. O que ele estava fazendo tinha um propósito, não era uma simples performance, ou uma forma de extravasar energia. Se você vai cantar, cante refletindo no que está cantando, se vai louvar a Deus com expressão corporal, faça isso como adorador e não como que vai a um baile ou boate. Dançar para simplesmente “balançar o esqueleto”, pode ser uma boa atividade física mas não misture isso com louvor.

Infelizmente hoje, o que estamos vendo em muitos casos, obviamente com exceções importantes, são verdadeiros “shows” gospels. onde a adoração e o louvor são apenas acessórios de uma performance, de uma apresentação e pior ainda: resumem-se ao mero entretenimento de massas. O objetivo que se esconde por trás de um discurso de adoração é o de vender arte e ganhar dinheiro. Não estou dizendo que viver de arte é errado, o que estou dizendo é que adoração é uma coisa e entretenimento é outra. Não é possível misturar. Nestes eventos, as pessoas não são levadas a um altar de adoração, mas a um encontro de fãs que vão prestigiar seu cantor ou banda preferida. Acho que precisamos a cada dia refletir sobre este tema, voltar as origens de um louvor simples e puro, onde as pessoas estejam cultuando a Deus com liberdade e reverência.  Que nossa adoração seja orientada por um desejo puro de exaltar Aquele que é antes de todas as coisas, sempre norteados pela valorização da edificação individual e coletiva, conforme Paulo nos diz em Filipenses 4-8: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai”.

 

 

o-verdadeiro-louvor-fe-em-jesus

Teologia Bíblica e o Culto de Adoração

egito-10-mil-jovens-adorandoBobby Jamieson

 

O que exatamente nós estamos fazendo quando nos congregamos como igreja para a adoração? E como nós sabemos o que devemos fazer nesses ajuntamentos semanais?

Naturalmente, cristãos evangélicos se voltam para a Escritura a fim de obter orientação nessas questões, mas em que lugar da Escritura nós procuramos? Há muito sobre adoração no Antigo Testamento – sobre orações, sacrifícios, corais, címbalos e tanto mais. Mas será que todo aquele material de fato se aplica aos ajuntamentos de crentes na nova aliança?

A fim de responder essas questões, nós precisamos de uma teologia bíblica da adoração.[1] Teologia bíblica é a disciplina que nos ajuda a observar tanto a unidade como a diversidade, tanto a continuidade como a descontinuidade, em meio ao vasto enredo da Escritura.

Neste artigo esboçarei, muito brevemente, uma teologia bíblica da adoração corporativa. Quatro passos nos levarão até lá: (1) a adoração congregacional no Antigo Testamento; (2) o cumprimento em Cristo; (3) a adoração congregacional no Novo Testamento; (4) lendo toda a Bíblia para a adoração corporativa.

1. A adoração congregacional no Antigo Testamento

Desde que o povo de Deus foi banido de sua presença depois da queda, em Gênesis 3, Deus tem trabalhado para ajuntá-los novamente para si mesmo.[2] Assim, quando Israel sofria em cadeias no Egito, Deus o resgatou não apenas para que ele fosse liberto da opressão, mas para que ele o adorasse em sua presença (Êxodo 3.12, 18). Deus guiou o seu povo para fora do Egito e os trouxe ao lugar da sua própria habitação (Êxodo 15.13, 17).

Onde é esse lugar de habitação? No princípio, é o tabernáculo, a elaborada tenda na qual os sacerdotes ofereciam sacrifícios pelos pecados e impurezas do povo. Nós lemos em Êxodo 29.44-46:

e consagrarei a tenda da congregação e o altar; também santificarei Arão e seus filhos, para que me oficiem como sacerdotes. E habitarei no meio dos filhos de Israel e serei o seu Deus. E saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, que os tirou da terra do Egito, para habitar no meio deles; eu sou o SENHOR, seu Deus.

O objetivo do êxodo era que Deus habitasse no meio do seu povo. Ele faz isso por meio do santo lugar (tabernáculo) e de indivíduos (sacerdotes) designados para aquele propósito.

Quando Deus tirou Israel do Egito, ele o tomou para si como o seu povo. E o modo como ele confirmou esse novo relacionamento com Israel foi firmando uma aliança com ele, geralmente chamada de “aliança mosaica”. Em Êxodo 19, o Senhor lembra ao povo o que havia feito por ele ao resgatá-lo do Egito e, então, promete que, se ele obedecer aos termos da sua aliança, será a sua possessão peculiar (Êxodo 19.1-6).

O Senhor confirmou essa aliança com o povo em Êxodo 24 e todas as leis de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio expõem os termos dessa aliança. Todos esses detalhes especificam como o povo de Deus deve viver com Deus e uns com os outros nessa aliança específica que Deus firmou com ele.

Assim, os detalhados sacrifícios e os rituais de purificação descritos em Levítico são um meio de reparar as brechas na comunidade da aliança. O culto mantém a aliança.

Algumas vezes ao ano, todos os israelitas eram ordenados a se congregarem perante o Senhor no seu tabernáculo, para as festas da Páscoa, das primícias, e assim por diante (Levítico 23). À parte dessas festas, a oferta regular dos sacrifícios era conduzida pelos sacerdotes e os indivíduos israelitas vinham ao tabernáculo (e, posteriormente, ao templo) apenas quando precisavam oferecer um sacrifício específico pelo pecado ou pela impureza.

Em outras palavras, para Israel, a adoração corporativa era uma ocasião especial, que se dava apenas poucas vezes no ano. A adoração, entendida como devoção exclusiva ao Senhor, era algo que os israelitas eram chamados a fazer em todo tempo (Deuteronômio 6.13-15). Mas, no sentido de ter íntimo acesso à presença de Deus, a adoração estava restrita a pessoas, lugares e ocasiões específicos. Deus habitava no meio do seu povo, sim, mas essa presença estava restrita ao tabernáculo e era protegida pelos sacerdotes.

2. O cumprimento em Cristo

O ponto de virada no enredo da Escritura é a encarnação de Deus o Filho, o nosso Senhor Jesus Cristo. Todas as promessas de Deus se cumprem nele (2Coríntios 1.20). Todos os tipos do Antigo Testamento – as instituições do sacerdócio, do templo e da monarquia, os eventos do êxodo, do exílio e do retorno – encontram seu cumprimento nele. Então, a fim de entender a teologia da adoração no todo da Escritura, temos que entender como Jesus cumpre e transforma a adoração da aliança mosaica.

O tabernáculo, e posteriormente o templo, era onde Deus manifestava a sua presença no meio do seu povo; Jesus cumpre e, portanto, substitui essas estruturas da antiga aliança. João nos diz que a Palavra se fez carne e – literalmente – “tabernaculou” entre nós (João 1.14). Jesus prometeu: “Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei” (João 2.19). Em outras palavras, o corpo de Jesus agora é o templo, o lugar onde Deus encontra o seu povo, manifesta a sua presença e lida com os seus pecados (João 2.21-22). É por isso que Jesus pode dizer que vem a hora na qual os verdadeiros adoradores não mais precisarão adorar em Jerusalém, mas adorarão em espírito e em verdade (João 4.21-24).

Jesus cumpre e substitui o templo terreno de Jerusalém. Ele agora é o “lugar” onde os verdadeiros adoradores adoram a Deus.[3]

Jesus também cumpre e substitui por inteiro o sistema sacrificial associado à aliança mosaica e o seu tabernáculo e templo. A Epístola aos Hebreus nos diz que, diferentemente dos sacerdotes que precisavam oferecer sacrifícios diários, Jesus expiou os pecados do povo “uma vez por todas, quando a si mesmo se ofereceu” (Hebreus 7.27). A oferta única de si mesmo feita por Jesus não apenas purifica a carne, como os sacrifícios da antiga aliança, mas, em vez disso, purificam a nossa consciência, renovando-nos interiormente (Hebreus 9.13-14). Porque Jesus aperfeiçoou o seu povo com uma única oferta, não há mais necessidade ou ocasião para a oferta de touros e de bodes (Hebreus 10.1-4, 10, 11-18).

Jesus cumpre e substitui os sacrifícios levíticos. O seu sangue agora assegura a nossa eterna redenção (Hebreus 9.12).

Eu poderia seguir indefinidamente nessa direção. O ponto é que a obra salvadora de Jesus introduz uma virada radical no modo como Deus se relaciona com o seu povo. A nova aliança que Jesus inaugura torna obsoleta a antiga aliança, que Deus fez no Sinai, por intermédio de Moisés (Hebreus 8.6-7, 13). Agora, o povo de Deus tem os seus pecados perdoados por meio da fé no sacrifício de Jesus. Agora, o povo de Deus experimenta a sua graciosa presença por meio da fé em Cristo e na habitação do Espírito. Agora, todo o povo de Deus tem íntimo acesso a Deus (Hebreus 4.16, 10.19-22), não apenas um pequeno número de sacerdotes.

3. A adoração congregacional no Novo Testamento

O que tudo isso significa para a adoração congregacional na era da nova aliança? A primeira coisa a observar é que os termos do Antigo Testamento para a adoração são aplicados a toda a vida dos crentes. Em Romanos 12.1, Paulo escreve: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”. Agora nós não oferecemos animais como sacrifícios, mas o nosso próprio eu. A vida inteira do cristão é um ato de serviço sacrificial a Deus.

Ou considere Hebreus 13.15: “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome”. Louvor é o nosso sacrifício, o qual nós oferecemos sempre – não apenas por uma hora no domingo de manhã. O fruto de lábios que confessam o nome de Deus inclui cânticos de louvor, mas também muito mais: confessar ousadamente o evangelho em público, falar palavras de verdade e amor ao próximo, trazer toda palavra que dizemos cativa ao domínio de Cristo.

Isso significa que “adoração” não é algo que fazemos primordialmente na igreja aos domingos. Em vez disso, a adoração deve permear a nossa vida inteira. Para o cristão, a adoração não está confinada a ocasiões e lugares sagrados, porque nós estamos unidos pela fé a Cristo, aquele que é o templo de Deus, e nós somos habitados pelo Espírito Santo, que nos faz tanto individualmente como coletivamente o templo de Deus (1Coríntios 3.16-17; 6.19; cf. Efésios 2.22).

O que então caracteriza a adoração corporativa na nova aliança? A leitura e pregação da Escritura (1Timóteo 4.14); o canto congregacional de salmos, hinos e cânticos espirituais (Efésios 5.18-19; Colossenses 3.16); a oração (1Timóteo 2.1-2, 8); a celebração das ordenanças do batismo e da ceia do Senhor (Mateus 28.19; 1Coríntios 11.17-34); o estímulo mútuo ao amor e às boas obras (Hebreus 10.24-25).

Uma das coisas mais admiráveis acerca da adoração corporativa na nova aliança é a persistente ênfase na edificação de todo o corpo. Paulo escreve: “Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração” (Colossenses 3.16). Nós instruímos e aconselhamos uns aos outros à medida que cantamos ao Senhor. Enquanto louvamos a Deus, nós edificamos uns aos outros. Paulo chega ao ponto de dizer que todas as coisas na assembléia reunida devem ser feitas com o objetivo de edificar o corpo de Cristo (1Coríntios 14.26).

O que há de único na reunião semanal da igreja não é que aquele é o momento de adorarmos, mas que aquele é o momento no qual nós edificamos uns aos outros ao adorarmos a Deus conjuntamente.

Por causa da nova aliança que Cristo inaugurou, a adoração congregacional na era da nova aliança tem uma feição completamente diferente da adoração congregacional na antiga aliança. Em vez de ocorrer algumas vezes no ano, a adoração corporativa é agora semanal. Em vez de se reunirem no templo em Jerusalém, os crentes se reúnem em igrejas locais onde quer que eles vivam. Em vez de a presença de Deus restringir-se ao Santo dos Santos, onde é protegida pelos sacerdotes, Deus agora habita em todo o seu povo por meio do Espírito e Cristo está presente com seu povo onde quer que eles se reúnam (Mateus 18.20). Em vez de executarem uma elaborada série de sacrifícios e ofertas, os cristãos se reúnem para ouvir a Palavra, pregar a Palavra, orar a Palavra, cantar a Palavra e ver a Palavra nas ordenanças. E tudo isso tem por objetivo a edificação do corpo em amor, para que todos nós cheguemos à maturidade em Cristo (Efésios 4.11-16).

4. Lendo toda a Bíblia para a adoração corporativa

Como então devemos nós olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine o que fazer na adoração corporativa?

Primeiro, acredito que é importante afirmar que a Escritura de fato nos ensina o que nós devemos fazer nas assembléias regulares da igreja. Lembre-se de que, embora a vida inteira seja adoração, a reunião semanal da igreja ocupa um lugar especial na vida cristã. Todos os cristãos são ordenados a se reunirem com a igreja (Hebreus 10.24-25); frequentar a igreja não é opcional para o cristão. Isso significa que, efetivamente, tudo o que uma igreja faz no culto se torna uma prática exigida dos seus membros. E Paulo insta os cristãos a não permitirem que quaisquer regras ou práticas de culto inventadas pelos homens sejam impostas à sua consciência (Colossenses 2.16-23).

Eu sugiro que esses princípios bíblicos convergem na direção daquilo que historicamente se tem chamado de “princípio regulador” do culto.[4] Em outras palavras, em suas reuniões corporativas, as igrejas devem realizar apenas aquelas práticas que são positivamente prescritas na Escritura, seja por um mandamento explícito ou por um exemplo normativo. Fazer qualquer outra coisa seria comprometer a liberdade cristã. Assim, as igrejas devem olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine a adorar juntos, e devem fazer somente o que a Escritura nos ordena fazer.

Mas isso levanta a pergunta: o que exatamente a Escritura nos ordena fazer? Para ser mais preciso, como nós sabemos qual material bíblico acerca da adoração é normativo e obrigatório? Responder essa pergunta exaustivamente demandaria um livro; aqui, apresentarei apenas um esboço muito breve.

Discernir quais ensinamentos bíblicos acerca da adoração são obrigatórios exige alguma destreza, uma vez que a Escritura em nenhum lugar nos apresenta, por exemplo, uma “ordem de culto” completa e confessadamente normativa. Mas há alguns mandamentos no Novo Testamento os quais são claramente obrigatórios a todas as igrejas. O fato de as igrejas em Éfeso e em Colossos serem ambas ordenadas a cantar (Efésios 5.18-19; Colossenses 3.16), bem como a referência ao canto na igreja de Corinto (1Coríntios 14.26), sugere que todas as igrejas devem cantar. O fato de Paulo ordenar Timóteo a ler e pregar a Escritura em uma carta destinada a instruir Timóteo acerca de como a igreja deve se conduzir (1Timóteo 3.15; 4.14) sugere que a leitura e pregação da Escritura são a vontade de Deus não apenas para aquela igreja em particular, mas para todas as igrejas.

Por outro lado, alguns mandamentos, como “Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo” (Romanos 16.16), parecem expressar um princípio universal (“recebam uns aos outros com amor cristão”) em uma forma que pode não ser culturalmente universal.

Além disso, alguns mandamentos contextuais podem ter uma aplicabilidade mais ampla, como o fato de Paulo dizer aos coríntios para separarem dinheiro no primeiro dia da semana. Aquilo era para uma oferta específica aos santos em Jerusalém, mas todas as igrejas são ordenadas a sustentar financeiramente os seus mestres (Gálatas 6.6), de modo que a oferta bem pode ter lugar na adoração corporativa.

Até aqui, porém, nós lidamos apenas com o Novo Testamento. O que dizer do Antigo? Afinal, o Antigo Testamento está repleto de mandamentos acerca da adoração:

Louvai-o ao som da trombeta; louvai-o com saltério e com harpa.
Louvai-o com adufes e danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas.
Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes. (Salmo 150.3-5)

Isso significa que, para serem bíblicos, os cultos de nossas igrejas precisam incluir trombetas, saltérios, harpas, tamborins, danças, instrumentos de cordas, flautas e címbalos? Eu sugiro que não.

Lembre-se que os salmos são expressões de adoração sob a aliança mosaica, referida por alguns dos escritores do Novo Testamento como a “antiga aliança” (Hebreus 8.6). Agora que a nova aliança prometida em Jeremias 31 foi estabelecida, a antiga aliança é obsoleta. Nós não estamos mais sob a lei de Moisés (Romanos 7.1-6; Gálatas 3.23-26). Portanto, formas de adoração atreladas à era mosaica não são mais obrigatórias a nós. O templo era servido por sacerdotes, alguns dos quais especializados na música litúrgica (1Crônicas 9.33). De fato, são eles que nós vemos tocando os mesmos instrumentos mencionados no Salmo 150 (2Crônicas 5.12, 13; 9.11). Assim, o Salmo 150 não está provendo um modelo para a adoração cristã; em vez disso, está invocando uma forma específica de adoração da antiga aliança, associada ao templo e ao sacerdócio levítico.

Isso não define, por si só, a questão de quais instrumentos podem servir de acompanhamento apropriado ao canto congregacional da igreja. Mas significa que o simples apelo a um precedente do Antigo Testamento não tem lugar, assim como o apelo a um precedente do Antigo Testamento não pode legitimar o sacrifício de animais. É aqui que muitas tradições cristãs falham em alcançar uma teologia bíblica da adoração, ao apelarem de modo seletivo a precedentes do Antigo Testamento, como se certos aspectos do sacerdócio levítico e da adoração do templo adentrassem na era da nova aliança.

Certamente, muito do Antigo Testamento informa o modo como adoramos. Os Salmos nos ensinam a adorar com reverência e temor, alegria e admiração, gratidão e júbilo. Mas o Antigo Testamento não prescreve nem os elementos nem as formas da adoração na igreja da nova aliança.

Nesse sentido, o Novo Testamento provê uma nova constituição para o povo de Deus da nova aliança, assim como muito do Antigo Testamento serviu como a constituição para o povo de Deus sob a antiga aliança. Deus tem um único plano de salvação e um único povo a salvar, mas o modo como o povo de Deus se relaciona com ele mudou radicalmente após a vinda de Cristo e o estabelecimento da nova aliança.

É por isso que precisamos empregar todas as ferramentas da teologia bíblica – agregando as alianças, traçando as conexões entre tipo e antítipo, observando promessas e cumprimentos, delineando continuidades e descontinuidades – a fim de chegarmos a uma teologia da adoração congregacional. Como o povo de Cristo da nova aliança, habitados pelo Santo Espírito da promessa, nós adoramos em Espírito e em verdade, de acordo com os termos que o próprio Deus especificou na Escritura.

 

Tradução: Vinícius Silva Pimentel
Revisão: Vinícius Musselman Pimentel