A ética de Amós

amos

“Vocês odeiam aquele que defende a justiça no tribunal e detestam aquele que conta a verdade.  Vocês pisam no pobre e o forçam a dar-lhes o trigo. Por isso, embora vocês tenham construído mansões de pedra, nelas não morarão; embora tenham plantado vinhas verdejantes, não beberão do seu vinho. Pois sei quantas são as suas transgressões e quão grandes são os seus pecados. Vocês oprimem o justo, recebem suborno e impedem que se faça justiça ao pobre nos tribunais.”

Amós 4:11-12amos

Um dia, há cerca de 760 anos antes de Cristo, numa pequena cidade chamada Tecoa que ficava a aproximadamente 20 km distante de Jerusalém, um criador de gado e cultivador de figos, chamado Amós (do hebraico, “levar”, “Deus levou”), recebeu um chamado sobrenatural e desafiador: ele ouviu a voz do Senhor, que o comissionava para denunciar os graves pecados cometidos pelas importantes nações da época e principalmente, as injustiças cometidas pelo próprio povo escolhido de Deus o qual encontrava-se dividido em dois reinos: Israel e Judá. Como o seu próprio nome indica, ele foi chamado para suportar (carregar) o peso da mensagem que tinha que anunciar.

Ele deixa sua terra, sua vida pacata e sossegada e vai profetizar as nações, denunciando o tráfico humano, a escravidão, o genocídio, a perversidade cometida por elas e o juízo de Deus sobre as mesmas. Até então, Amós não havia enfrentado resistência, porém ele passa a denunciar a hipocrisia do povo de Israel, no reinado de Jeroboão e as coisas então começam a complicar para o profeta.

Israel vivia um dos momentos mais prósperos de sua história gozando de segurança nacional e de riqueza. Entretanto, esta riqueza de poucos era sustentada pela exploração e sacrifício de muita gente pobre e desamparada pela justiça nacional. Amós deu voz aos excluídos, aos injustiçados. Amós desmascarou a hipocrisia daqueles que iam ao templo adorar a Deus com as mãos sujas pela exploração e pela corrupção.

Quando Amazias, sacerdote de Betel, faz uma proposta a  Amós, para que ele fugisse para a terra de Judá e ali profetizasse e ganhasse seu sustento com isso, Amós declara que não é filho de profeta, nem vem da escola de profetas, ele diz de onde veio e Quem o chamou mesmo numa época de grandes profetas como Oséias e Isaías (profeta messiânico). Deus não limita sua ação. Deus escolhe livremente quem ele quer usar e tem uma finalidade para cada escolhido seu: a missão de Isaías era uma, a missão de Amós era outra. Amós não tinha nenhum relacionamento com a classe religiosa da época, nem tão pouco política. Ele era uma voz livre, comprometida apenas com a ética superior de Deus. Comprometido com a verdade e com a justiça social.

A ética (do grego “ethos”, “costume superior, bom costume”),  está acima da moral (do latin “mores”, “hábito, costume) e até mesmo da Lei. A moral e a Lei são determinadas por uma série de fatores culturais e de circunstancias, por isto podemos afirmar que nem tudo o que é moralmente ou legalmente aceito é ético. A ética está fundamentada em princípios universais imutáveis que não podem ser “adaptados” segundo as conveniências de governos, instituições e até mesmo crenças. A ética está comprometida com a verdade e igualdade de direitos e está acima de qualquer ideologia.

Amós foi o profeta da ética e da justiça social. A ética exige muito de quem menciona seu nome. Para falar em nome dela, é preciso ser comprometido com a mesma, custe o que custar. A autoridade das palavras de Amós vinha de de Deus, porém Deus escolheu um homem capaz de viver esta verdade em sua vida. Dizem que todo homem tem seu preço, mas o profeta verdadeiro de de Deus não pode ser comprado, ele não vende sua consciência. Amós denunciou a hipocrisia de um povo que causava repulsa a Deus. Seus cânticos de louvor, sua adoração, sua liturgia eram vazias porque não expressavam a verdade em suas vidas cotidianas.  Elas tinham mal cheiro, estavam podres (Cap. 5:21), pois serviam apenas como um disfarce, ou no máximo uma tentativa de aliviar as consciências pesadas de uma classe de privilegiados que exploravam seus semelhantes.

Em todas as épocas, Deus levantou pessoas para serem as vozes da ética. Hoje Deus quer levantar muitos “Amós”, comprometidos com a ética nas”pequenas” e “grandes”  ações. Gente capaz de denunciar a injustiça, gente que não se conforma com a hipocrisia. Seja você criador de gado, cultivador de figos, feirante, professor, estudante, funcionário público, pastor, operário, artista ou empresário, o Senhor quer te chamar para ser sua voz no meio deste mar de lama, hipocrisia e corrupção que tomou conta do país que chamamos de Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.