Pare de brincar com pecado (Parte 3): Grande nuvem de testemunhas

pray-2354614_960_720

Por: Andrew Mathieson

Este é o artigo final de uma série de 3 partes sobre o tema da perseverança.

Então vamos seguir do que para o como. Você pode estar sentado agora mesmo, sentindo-se um pouco sobrecarregado, e pensando: “Você me disse que eu deveria correr a carreira sem me embaraçar e sem deixar nada entrar no caminho e que tenho que perseverar até o fim da corrida, e se eu não perseverar até o fim, estou condenado, mas na verdade você não me disse como fazer; as maratonas são muito difíceis e eu nem tenho certeza se isso pode ser feito”. Bem, tenha bom ânimo, usaremos o resto de nosso tempo para fornecer auxílio quanto a isso.

Grande nuvem de testemunhas

Em primeiro lugar, sejam encorajados pela grande nuvem de testemunhas, porque elas nos mostram tanto que a corrida pode ser realizada quanto como realizá-la. Nossa passagem começa: “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas”, referindo-se ao capítulo 11 e os relatos dos santos do Antigo Testamento. À luz dessa grande nuvem de testemunhas que agora nos cercam e nos animam no que diz respeito à nossa corrida, vamos ler um pouco do capítulo 11. Na verdade, vou ler quase todo o capítulo 11!

Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala. Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus. De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam. Pela fé, Noé, divinamente instruído acerca de acontecimentos que ainda não se viam e sendo temente a Deus, aparelhou uma arca para a salvação de sua casa; pela qual condenou o mundo e se tornou herdeiro da justiça que vem da fé.

Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia. Pela fé, peregrinou na terra da promessa como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa; porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador. Pela fé, também, a própria Sara recebeu poder para ser mãe, não obstante o avançado de sua idade, pois teve por fiel aquele que lhe havia feito a promessa. Por isso, também de um, aliás já amortecido, saiu uma posteridade tão numerosa como as estrelas do céu e inumerável como a areia que está na praia do mar.

Pela fé, Abraão, quando posto à prova, ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito aquele que acolheu alegremente as promessas, a quem se tinha dito: Em Isaque será chamada a tua descendência; porque considerou que Deus era poderoso até para ressuscitá-lo dentre os mortos, de onde também, figuradamente, o recobrou. Pela fé, igualmente Isaque abençoou a Jacó e a Esaú.

Pela fé, Jacó, quando estava para morrer, abençoou cada um dos filhos de José e, apoiado sobre a extremidade do seu bordão, adorou. Pela fé, José, próximo do seu fim, fez menção do êxodo dos filhos de Israel, bem como deu ordens quanto aos seus próprios ossos.

Pela fé, Moisés, apenas nascido, foi ocultado por seus pais, durante três meses, porque viram que a criança era formosa; também não ficaram amedrontados pelo decreto do rei. Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado; porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão. Pela fé, ele abandonou o Egito, não ficando amedrontado com a cólera do rei; antes, permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível. Pela fé, celebrou a Páscoa e o derramamento do sangue, para que o exterminador não tocasse nos primogênitos dos israelitas.

Pela fé, atravessaram o mar Vermelho como por terra seca; tentando-o os egípcios, foram tragados de todo. Pela fé, ruíram as muralhas de Jericó, depois de rodeadas por sete dias. Pela fé, Raabe, a meretriz, não foi destruída com os desobedientes, porque acolheu com paz aos espias.

E que mais direi? Certamente, me faltará o tempo necessário para referir o que há a respeito de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas, os quais, por meio da fé, subjugaram reinos, praticaram a justiça, obtiveram promessas, fecharam a boca de leões, extinguiram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram força, fizeram-se poderosos em guerra, puseram em fuga exércitos de estrangeiros.

(Hebreus 11:4-34)

Estas são alguns daqueles que fazem parte da grande nuvem de testemunhas que agora nos cercam e nos animam a persistir na carreira até o fim, e mais importante, elas nos provam que a corrida pode realmente ser completada. Você pode estar pensando: “Mas eu não sou nem um pouco parecido com aqueles gigantes do passado — sou apenas um corredor comum, e honestamente eu sou um desastre”, ao que eu responderia: eles eram assim também.

Noé poderia ter construído a arca, mas uma das primeiras coisas que ele faz depois de sair da arca é fazer vinho e embebedar-se. Abraão poderia ser um covarde, Sara riu na face de Deus quando ouviu a promessa pela primeira vez, Isaque era pouco masculino, Jacó era um vigarista, Moisés era um assassino, Raabe era uma prostituta, Gideão precisava de mais um sinal, Barak não faria o que Deus lhe disse a menos que Deborah fosse com ele, Sansão foi um pesadelo total, Jefté fez o voto mais tragicamente insensato, Davi era um adúltero e um assassino.

Você vê, a verdade é que esses gigantes da nossa fé estavam tão falhos e defeituosos quanto você e eu. A única coisa que com que esses homens e mulheres fossem especiais foi o Deus em quem eles confiaram. Portanto, considere: você pode não ser Davi, mas você tem o Deus de Davi e, sinceramente, é tudo o que você precisará. Se você notou a constante repetição do capítulo 11, você aprendeu como esses antigos heróis correram: Abraão, Moisés, Davi e todos os que já correram o fizeram pela fé, e é assim que você e eu devemos correr também.

Jesus, o autor e consumador da fé

Voltemos ao nosso texto. “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus”. Olhe para Jesus, o autor e consumador da nossa fé. Eu amo esta frase, e você deveria amar também, porque é o evangelho. Olhe para Jesus e não para si mesmo, olhe para aquele que fez por você o que você nunca poderia ter feito por si mesmo.

No coração do evangelho, existem algumas perguntas essenciais:

Como um Deus santo e justo pode perdoar o pecado e julgar o culpado?

Como um Deus justo pode justificar o ímpio?

Como eu, pecador, posso encontrar o padrão exigido por um Deus santo e justo?

Como eu, pecador, posso escapar da punição que mereço?

A resposta a estas perguntas é: “Olhe para Jesus, o autor e consumador da nossa fé”. Olhe para ele, ele viveu a vida perfeita que você não viveu. Ele correu uma corrida perfeita. Ele atingiu os padrões que um Deus bom, santo e justo requer. Olhe para ele, ele morreu a morte que você merece, tomou sobre si o seu pecado e a ira de Deus contra o pecado e os pecadores. Olhe para ele, ele está ressuscitado e glorificado, vitorioso sobre Satanás, sobre pecado, a morte e a sepultura. Olhe para ele, ele subiu ao céu e está sentado à direita do Pai, e ali intercede por você como seu Grande Sumo Sacerdote. Olhe para ele, ele está voltando para estabelecer seu reino, julgar a terra, punir os culpados e galardoar os fiéis. Olhe para ele e tenha certeza disso: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1:6).

Olhe para Jesus, o autor e consumador de nossa fé, e seja tenha coragem, confiança e força para correr a carreira com base nessa gloriosa verdade. Jesus não responde apenas à nossa fé com ajuda. Ele é o autor, criador e fundador da fé, e é ele quem trabalha para aperfeiçoar a fé que ele cria. Ele trabalha para começá-la e trabalha para completá-la. Nossa fé se apega a Jesus em busca de ajuda, porque Jesus primeiro se apegou a nossos corações pela fé. Olhe para Jesus e corra.

A alegria do triunfo

Então, quando chegamos ao final de nossa meditação nessa passagem, vimos que corremos a corrida diante de nós colocando nossa fé e confiança em Jesus, o autor e consumador da nossa fé, e fazendo isso recebemos a força e perseverança que precisamos para eliminar qualquer coisa que nos atrapalhe, lutar contra o pecado e alcançar a linha de chegada. E é na linha de chegada onde encontramos nossa motivação final para corrermos a corrida, porque é ali que a recompensa espera por nós. Nossa passagem nos fala que Jesus suportou a cruz pela alegria que lhe foi proposta, e como nosso Salvador, também devemos suportar as dificuldades, batalhas e provações que surgem em nosso caminho pela alegria que nos está proposta.

Em Romanos 8.18, o apóstolo Paulo escreve: “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós”.

Talvez você tenha lido a declaração de fé do 20schemes. Eu amo a parte final dessa declaração de fé porque nos lembra da grande recompensa que espera por aqueles de nós que correm a corrida.

A Restauração de Todas as Coisas: Cremos no retorno pessoal, glorioso e corporal de nosso Senhor Jesus Cristo com os seus santos anjos, quando ele exercerá seu papel como Juiz final, e seu reino será consumado. Cremos na ressurreição corporal tanto dos justos como dos injustos — o injusto para juízo e punição consciente e eterna no inferno, como nosso próprio Senhor ensinou, e o justo para a bem-aventurança eterna na presença daquele que está sentado no trono e do Cordeiro, no novo céu e na nova terra, a habitação da justiça. Naquele dia, a Igreja será apresentada sem máculas diante de Deus por meio da obediência, sofrimento e triunfo de Cristo, todo pecado será purgado e seus efeitos miseráveis ??banidos para sempre. Deus será tudo em todos e o seu povo será maravilhado ao estar diante de sua indescritível santidade, e tudo será para o louvor da sua gloriosa graça.

Há um dia vindouro para aqueles que perseveram até o fim, quando estaremos com Jesus na habitação da justiça, e todo pecado e seus efeitos miseráveis ??serão banidos para sempre e tudo será para o louvor da gloriosa graça de Deus. Esse é um prêmio pelo qual vale a pena concorrer.

Terminarei com uma citação do puritano Thomas Brooks, para citar um último homem sábio que já faleceu. Ele disse: “Sua vida é breve, seus deveres são muitos, sua ajuda é grande e sua recompensa é garantida; portanto, não desanime, fique firme e persevere em fazer o que é bom, e no céu tudo será retificado”.

Amém.

Tradução: Camila Rebeca Teixeira.

Revisão: William Teixeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.